14.10.16

Rosa-Petra


a cor-tesouro.
a aquele arrepio.

1 2 3 9 7 4 5 6 1 8 10

Petra, Jordânia
Diário Médio Orientemarço, 2015

12.10.16

céu azul em dias de Outono


hoje o céu está cinzento.
cores de Outono para céu cinzento!

1 2 6 3 4 5

30.9.16

nada contra tudo


Capa
Contra-capa
Luz
Contra-luz

Este vídeo, A Arte de Fazer um Livro

1 12 4 3 2 10 7 13 9 8 11

Arte Poética, 1758

27.9.16

sabias que*...


... Lago Baikal em russo significa "Lago Rico"?
... que o Baikal é muitas vezes referido como "O olho azul da Sibéria" ou "A pérola da Sibéria?
... é o lago mais profundo do mundo, com uma profundidade máxima de 1620m e uma profundidade média de 730m?
... é considerado o lago de água potável mais volumoso do mundo?
... é o sexto em tamanho com uma área de superfície de 31.722km²?
... tem 635km de comprimento e 80km de largura?
... é alimentado por mais de 300 rios, mas só é escoado por um, o Angara?
... das cerca de 2000 espécies que vivem no lago, 60% são endémicas?
... a ferrovia das margens do Baikal é um trecho do Transiberiano com 307km e 40 túneis?


* Não. O José não é um blogue de curiosidades.
Embora verdadeiras, as curiosidades referidas são meramente decorativas.

1 2 3 9 6 7 11 23 4 12 14 20 18 17 21 13

Lago Baikal, Listvyanka
Rússia
 Diário Transmongoliano - julho, 2016

26.9.16

três coisas

da linha ténue que está a separar o Verão do Outono:

2 1 3
1. As videiras estão pesadas, cheias, carregadas.
Ouvem-se as dornas. As cheias, as meio cheias e as vazias. Batem umas contra as outras e ouvem-se. A pouco e pouco aliviam as vinhas, mas nunca as esvaziam. As vinhas são sempre cheias.

6 5
2. A luz de fim do dia está a mudar. As minhas sandálias amarelas, sabem disso. Sabem que à medida que a luz muda, a importância de uns pés calçados de amarelo também se esbate.
Mas atenção, nunca desvalorizo a importância de dar amarelo aos pés.

7
3. Há livros que se fazem de linhas ténues e como tal devem ser lidos com a luz de uma linha ténue.
No início da tarde de sábado, olhámo-nos com uma satisfação tímida quando soubemos que o piano estava pronto. A meio da manhã, o meu tio saiu para ir buscar o afinador. Chegou, trazendo-o pelo braço. O afinador era cego. Apontava a cabeça para cima ou para lugares onde não acontecia nada. A cabeça girava-lhe autónoma sobre o pescoço. Era mais velho do que o meu tio. Tinhas as mãos lisas. Falava pouco. Passámos horas a acertar notas em cada tecla. O afinador apertava as cordas com uma chave de prata que segurava, firme e cuidadosamente, entre os dedos. E os sons puros: nítidos no silêncio: desenhados no ar, a demorarem-se breves, a ecoarem na memória e a deixarem outro silêncio: outro silêncio: outro silêncio diferente. 
Quando por fim se ouviu uma palavra, foi o meu tio que me pediu para ir avisar o italiano. Sorri-lhe, abanei a cabeça afirmativamente e não fui capaz de dizer nada porque, dentro de mim, tinha um redemoinho infinito de música infinita.
Cemitério de Pianos, José Luís Peixoto